Deus vai abençoa você

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Igreja expulsa mãe que amamentava filho durante culto

Igreja deveria ser um local de acolhimento, mas isso nem sempre é verdade. A norte-americana Jennette Nirvana, moradora da Geórgia, mãe de quatro filhos e evangélica, pode ser um bom exemplo disso.
Ela diz que foi forçada a sair do templo da igreja que frequentava quando decidiu amamentar seu bebê durante o culto. Alguns líderes da Igreja se aproximaram e pediram que ela fosse para o banheiro. Diante de sua recusa, ameaçaram chamar a polícia e prendê-la por “exposição indecente”. Para sua surpresa, o pastor a comparou a uma stripper de boate, que se despia em público.
“Eu estava indo àquela igreja durante algum tempo. Pensei que seria aceita…”, disse ela em entrevista ao canal de TV Fox.
Revoltada, ela explica que só estava amamentando seu filho e nunca esperou tudo o que aconteceu com ela. “Quando me pediram pra ir para o banheiro. Eu disse que não, então mandaram me cobrir e ir embora. Eu sei a importância do aleitamento materno e foi isso que decidi fazer para o meu bebê… Tentei muitas vezes ser educada e conversar com eles.
Não somos diferentes dos outros, nem temos uma doença. Nós merecemos ficar junto com os todos. Ele [o pastor] me comparou a uma dançarina de strip tease. Fico chateada só de ter de falar sobre isso. Ele também disse que a amamentação é vulgar e que eu deveria me cobrir e sair do templo”.
Possivelmente, os membros dessa igreja ignoram que Maria foi retratada centenas de vezes ao longo dos séculos amamentando o menino Jesus.
Enquanto saía, Nirvana ouviu que não deveria voltar àquela igreja na cidade de Savannah que ela preferiu não identificar. Desde então ela decidiu se unir a um grupo de mães pelo Facebook. Descobriu que outras mulheres passaram por situações similares em lugares públicos, como supermercados, museus e shopping centers.
De acordo com a lei da Geórgia, uma mãe pode amamentar o seu bebê em qualquer local. Mas se um estabelecimento decide proibir uma mulher de amamentar em público, um local alternativo deve ser fornecido. Para a senhora Nirvana e as outras mães do grupo, o banheiro não pode ser considerado uma alternativa viável.
“As pessoas não sabem que o local pode estar cheio de germes? Será que alguém gostaria de comer em um banheiro público?… Mas parece não haver problema em uma mãe alimentar seu bebê ali. Isso é triste”, afirma Jennette.
Para ela e seu grupo, é necessário fazer algo mais drástico. De acordo com a retransmissora da Fox, o grupo de mães liderado por Jennette agora está pedindo uma alteração na legislação do Estado da Geórgia.
Em 5 de março elas vão fazer um protesto diante do Tribunal de Woodbine e estão convocando pelo Facebook todas as mães e simpatizantes do movimento para se juntarem a elas.
A petição encaminhada por elas ao governo pede que a lei seja alterada, prevendo a possibilidade de processo “contra qualquer pessoa que faça assédio ou discriminação contra uma mãe durante a amamentação e impeça-as de serem acusadas de exposição indecente”.
Traduzido e adaptado de Huffington Post e Wsav

Fonte: Gospel Prime

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Jatinho da IURD é apreendido pela Receita Federal, saiba porquê!

A colunista Sonia Racy, do jornal O Estado de São Paulo, afirmou que a Receita Federal apreendeu no aeroporto internacional de Viracopos, Campinas, um jatinho Citation X nesta terça-feira (21). Dentro da aeronave estaria mais de US$ 20 milhões [R$ 34 milhões], que pertenceriam à sede argentina da Igreja Universal.
A jornalista afirma que procurou a assessoria da igreja para esclarecer o caso, mas não obteve resposta. Não foi divulgado quem fez a denúncia que gerou a apreensão ou se alguém foi preso.
Alguns veículos de comunicação lembraram que o ex-deputado federal João Batista Ramos da Silva foi detido em 2005, no Aeroporto de Brasília, levando sete malas, com aproximadamente R$ 10 milhões, também em um jato Citation X, pertencente à IURD.
Semana passada, surgiram boatos de uma crise financeira crescente no conglomerado IURD/Record, ambas lideradas por Edir Macedo. Alguns sites rapidamente passaram a especular se não haveria sido montada uma operação de emergência para quitar as dívidas mais urgentes da emissora.
Os custos para manter as rádios e canais de TV estariam exigindo demais dos cofres da Igreja. Foram veiculadas na semana passada notícias sobre o fechamento do canal Record News e o site R7. O motivo seria um drástico corte de gastos para poder salvar a Rede Record da falência.
Nos últimos dias, foi noticiado que a emissora dispensou muitos dos artistas de novela contratados. Também liberou recentemente o humorista Tom Cavalcante antes do final do seu contrato. O motivo teria sido exatamente a questão salarial.
A Rede Record emitiu a seguinte nota de esclarecimento sobre os rumores de falência:
“O Grupo Record vem a público informar que foi vítima de mais um ataque criminoso contra as suas atividades empresarias. São absolutamente falsas as notícias sobre o encerramento do portal R7 e da Record News.
O ataque foi divulgado sem identificar qualquer fonte de informação pelo site Adnews, na mesma semana em que a empresa anunciou que se tornava parceira do portal UOL, um dos concorrentes do R7.
O R7 registrou excelentes resultados em menos de três anos de atividades. De janeiro a dezembro de 2011, o portal teve um crescimento de 111,61%, enquanto o mercado brasileiro de internet se expandiu 8,73% no mesmo período, segundo dados do Ibope/Nielsen.
A Record News, apesar de sofrer boicote de algumas operadoras de televisão paga, segue como o canal de notícias com o maior número de telespectadores do país.
A atuação da Record News e do portal R7 permitiu que o Grupo Record expandisse seu alcance, democratizando ainda mais o acesso à informação. Ambos atendem a um público cada vez maior, telespectadores e internautas que, cientes da qualidade dos produtos, optam cada vez mais pelos seus serviços.
O Grupo Record informa ainda que vai tomar medidas judiciais contra estes ataques, que podem trazer “prejuízos para nossas atividades.”

Com informações das Agências de Notícias


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Neste carnaval use a armadura e não a máscara

Que o carnaval é uma festa da carne, todo cristão já sabe, mas ainda tem muitos preocupados com qual máscara usar na festa da carne. No dicionário Novo Aurélio Século XXI, o carnaval é descrito de três formas enfáticas. Se o que os líderes dizem não fica claro, o próprio dicionário esclarece o que é o carnaval: 1. No mundo cristão medieval, período de festas profanas que se iniciava, geralmente, no dia de Reis (Epifania) e se estendia até a quarta-feira de cinzas, dia em que começavam os jejuns quaresmais. Consistia em festejos populares e em manifestações sincréticas oriundas de ritos e costumes pagãos, como as festas dionisíacas, as saturnais, as lupercais, e se caracterizava pela alegria desabrida (insolente), pela eliminação da repressão e da censura, pela liberdade de atitudes críticas e eróticas. 2.Os três dias imediatamente anteriores à quarta-feira de cinzas, dedicados a diferentes sortes de diversões, folias e folguedos populares, com disfarces e máscaras; tríduo de momo (três dias dedicados ao deus da sátira e do riso). 3. Confusão, trapalhada, desordem”.
Depois de ler esta descrição sábia, fica ainda mais evidente que a postura do cristão nesta festa deve ser: fazer a diferença. Para isso é necessário deixar as máscaras de lado e se revestir d a armadura do crente, a qual é tão importante, que para deixar clara na mente, aqui está por completa. Mesmo que você saiba este texto, faça um esforço e leia por completo: “Finalmente, fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder. Vistam toda a armadura de Deu s , para poderem ficar firmes contra as ciladas do Diabo, pois a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais. Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem feito tudo. Assim, mantenham-se firmes , cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça e tendo os pés calçados com a prontidão do evangelho da paz. Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno. Usem o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus. Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos” (Efésios 6.10-18).
Parabéns aos cristãos que neste período de carnaval saem às ruas vestindo a camisa de Cristo, deixando o Espírito Santo usar suas vidas e m prol do Reino . Com o instrumentos de Deus levam almas a Jesus e fazem a diferença . Parabéns aos cristãos que neste período de carnaval participam de retiros espirituais para a batalha de todo o restante do ano. Para que não só o mundo, mas dentro das igrejas, consigam ir contra o pecado e as manifestações de Satanás.
Quanto aos jovens e adultos, líderes ou não, que enganam a si mesmos com diversas máscaras durante todo o ano, ora-se para que o carnaval revele a sua real aparência. E em seguida, deixem o próprio Espírito Santo modificar sua vida. Que a Bíblia seja mais do que um livro histórico e sirva como Palavra viva, modificadora e fortalecedora para cristãos e não cristãos. Que todos os que seguem a Cristo não apenas saibam das armas espirituais, mas também as usem.

Fonte:EDITORIAL DO JORNAL BATISTA

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Ministério Público quer a retratação de Silas Malafaia

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo entrou na quinta-feira com uma ação contra o pastor Silas Malafaia para que se retrate por um discurso considerado homofóbico.
Os comentários de Malafaia foram feitos em julho de 2011 no programa “Vitória em Cristo”, que é exibido na TV Bandeirantes em horário comprado por ele.
Em meio ao debate sobre a proposta de lei para criminalizar a homofobia, o pastor falava sobre a Marcha para Jesus e a Parada Gay, eventos que aconteceram em junho em São Paulo. “Os caras na Parada Gay ridicularizaram símbolos da Igreja Católica e ninguém fala nada. É para a Igreja Católica ‘entrar de pau’ em cima desses caras, sabe? ‘Baixar o porrete’ em cima pra esses caras aprender. É uma vergonha”, afirmou o pastor no programa.
Para o procurador Jefferson Aparecido Dias, mais do que expressar sua opinião, o pastor fez um discurso de ódio. O pastor, que está em viagem ao exterior, foi procurado pela reportagem por meio de sua assessoria, mas não se pronunciou até o momento. A TV Bandeirantes foi procurada também e ainda não se manifestou sobre o caso.
“As gírias ‘entrar de pau’ e ‘baixar o porrete’ têm claro conteúdo homofóbico, por incitar a violência em relação aos homossexuais”, afirma o procurador na ação. Aparecido Dias pede a retratação do pastor na TV, que deve ter, no mínimo, o dobro do tempo usado para fazer os comentários. Ele ainda quer que Malafaia não faça mais discursos que poderiam ser considerados homofóbicos.
Durante o inquérito, o pastor disse que fez uma “crítica severa a determinadas atitudes de determinadas pessoas desse segmento social, acrescida também de reflexão e crítica sobre a ausência de posicionamento adequado por parte das pessoas atingidas”. Ele ainda alegou que as expressões “baixar o porrete” ou “entrar de pau” significam “formular críticas, tomar providências legais”.
Segundo o procurador, durante o inquérito, o pastor pediu que os fiéis da sua igreja enviassem e-mails pressionando o MPF. Aparecido Dias relata ter recebido centenas de mensagens. “Da mesma forma que seus seguidores atenderam prontamente o seu apelo para o envio de tais e-mails, o que poderá acontecer se eles decidirem, literalmente, “entrar de pau” ou “baixar o porrete” em homossexuais?”, questiona o procurador.

Com informações das Agências de Notícias

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Marco Feliciano opina sobre retirada de “Deus seja louvado” da cédula do real: ‘o estado é laico mas não ateu’

O Banco Central instaurou procedimento interno e forneceu uma resposta na semana passada em que analisa uma ação envolvendo o procurador do MPF em São Paulo Pedro Antonio de Oliveira. Oliveira interpelou a autoridade monetária sobre a expressão “Deus seja louvado” inscrita nas cédulas de Real.
Na resposta do BC, dada na semana passada, o banco lembrou que não só a moeda, mas também Constituição foi promulgada “sob a proteção de Deus”.
“A República Federativa do Brasil não é anti-religiosa ou anti-clerical, sendo-lhe vedada apenas a associação a uma específica doutrina religiosa ou a um certo e determinado credo”, foi a resposta da autoridade monetária.
Mas na visão de Oliveira, a inscrição na moeda desrespeita o Estado laico, devendo, portanto, ser banido das cédulas, segundo informações da coluna Radar Online, de Veja.
Já na análise do BC, a representação do procurador sofre de vício de origem, pois a atribuição de determinar as características gerais das cédulas pertence ao Conselho Monetário Nacional.
Ouvido pelo The Christian Post, o deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) diz que a frase inscrita na moeda não fala especificamente de uma religião, e sim usa a expressão Deus. “Em todas as religiões o termo Deus remete a uma divindade, ou seja, não fere religião alguma. Que mal provoca a frase?”, pondera.
Feliciano ainda enfatiza que o País é laico e isso não significa que ele seja ateu. Referindo-se ao procurador, ele disse: “pasma-me muito (a interpelação) vir de alguém que tem formação religiosa. Tal enquadramento deveria vir de ateus, que até este momento estavam em silêncio e que com certeza irão reverberar o noticiado”, prevê.
O parlamentar ainda lembrou que diversos países usam expressões similares, o que não representa ofensa, como no caso da moeda norte-americana com o famoso epíteto “In God we trust” (Em Deus confiamos).
O Ministério Público analisa que medidas tomar em relação ao assunto mas ainda não tem prazo para sua conclusão.

Fonte:Adiberj

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

MP de São Paulo pede que notas de real não tragam a frase “Deus seja louvado”

A coluna Radar Online, assinada por Lauro Jardim na revista Veja, trouxe uma denúncia que deve gerar muita polêmica no Brasil. Embora seja um país laico, ou seja, sem religião oficial, existem várias menções religiosas nas atitudes do governo e vários feriados religiosos nacionais.
Recentemente, o procurador substituto do Ministério Público Federal em São Paulo, Pedro Antonio de Oliveira, quer que a frase “Deus seja louvado” seja retirada das cédulas de Real.
Em dezembro do ano passado, o procurador fez uma representação devido a uma suposta “ofensa à laicidade da República Federativa do Brasil”. Em outras palavras, ele pede que o Banco Central não imprima mais “Deus seja louvado” nas cédulas de dinheiro.
Para o procurador, essa frase desrespeita o Estado laico e, portanto, não deveria estar nas cédulas.
O Banco Central já iniciou um procedimento interno para tratar do caso. Em sua resposta ao procurador, divulgada na semana passada, o banco lembra que, a exemplo da moeda, até a Constituição foi promulgada “sob a proteção de Deus”.
Também argumenta que “A República Federativa do Brasil não é anti-religiosa ou anti-clerical, sendo-lhe vedada apenas a associação a uma específica doutrina religiosa ou a um certo e determinado credo”.
O Banco Central acredita que a ação do procurador “padece de vício de origem”, pois é atribuição do Conselho Monetário Nacional determinar como serão as cédulas e as moedas do país.
Não é a primeira vez que o assunto é tratado. Vários artigos já foram publicados em relação a isso. Porém, é a primeira vez que existe uma ação clara de um órgão federal.
O jornalista Túlio Vianna, assina um artigo na revista Fórum que exemplifica bem qual a posição dos sem religião:
“A liberdade constitucional de crença é também uma liberdade de descrença, e ateus e agnósticos também são cidadãos brasileiros que devem ter seus direitos constitucionais respeitados.
O mesmo se diga em relação aos politeístas, que acreditam em vários deuses e não aceitam a ideia de um deus onipotente, onisciente e onipresente.
Um bom exemplo do uso do nome de Deus com violação do princípio da laicidade é a expressão “Deus seja louvado”no dinheiro brasileiro.
Como não incomoda à maioria da população, acaba sendo negligenciada em detrimento dos direitos constitucionais dos ateus, agnósticos e politeístas, que ainda não são bem representados no Brasil.
Já se vê, porém, algumas destas expressões riscadas à caneta nas notas brasileiras, o que é uma clara manifestação de descontentamento com o desrespeito à descrença alheia”.

Com informações do Gospel Prime

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Presbítero denuncia aberrações em entrevista de demônio feita na IURD

Segundo o demônio, entre as vítimas tinha ex-obreiros da IURD que estariam no culto naquela noite, mas ele os impediu de ir lá causando a tragédia para que eles morressem.
O vídeo causou varias polemicas, e o Presbítero Paulo Teixeira do Blog Holofote,fez um analise desta entrevista, e detectou diversas aberrações que transcrevemos abaixo:
À luz da Bíblia, algumas aberrações podem detectadas na entrevista com o ‘demônio’:
-o suposto demônio disse que tinha almas que estavam no prédio e que estariam naquele culto, mas foram impedidas.
Somente Deus tem o atributo onisciência, mas ninguém. Portanto uma mentira dita pelo ‘demônio’.
-o suposto ‘demônio’ disse que os ex-obreiros que morreram estão no inferno.
O destino final dos ímpios só ocorrerá no Dia do Juízo Final. Demônio algum sabe quem será condenado. A sentença será proferida pelo Juiz e Senhor.  A Bíblia nos diz: “e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados” 2 Pedro 2.9b. Portanto, mais uma mentira proferida pelo ‘demônio’.
-o suposto ‘demônio’ disse que os ex-obreiros estão neste exato momento “chorando sangue”.
Não há possibilidade alguma de alguém estar na eternidade ‘chorando sangue’. Se são almas, de onde estariam vindo as lágrimas de sangue, se este é um elemento material, do mundo físico?
Diante da exposição bem suscinta do ocorrido, chega-se a duas conclusões:
1) Ou a manifestação maligna foi um teatro pré-estabelecido, e se assim foi, não merece nem comentários.
2) Ou realmente houve manifestação demoníaca. E se isto ocorreu, duas coisas devem ser citadas:
-Ou o pastor que entrevistou o ‘demônio’ nada conhece de Bíblia, pois quem conhece a Palavra de Deus sabe muito bem que o Diabo é o pai da mentira e tudo que o demônio fala não deve ser considerado. Vejamos o que disse Jesus:
“Vós tendes por pai o diabo, e quereis satisfazer os desejos do vosso pai; ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.” – Jo. 8:44
-Ou o pastor conhece realmente o texto acima e apenas quis se aproveitar para transformar o ato num espetáculo e chamar a atenção.
Ressalta-se ainda que o pastor fez questão de perguntar ao ‘demônio’ se nos prédios havia ex-obreiros. É sabido por todos que está havendo uma migração enorme de obreiros da IURD para a igreja liderada por Valdomiro Santiago (um ex-obreiro da IURD). Teria sido a atitude do pastor uma forma de terrorismo psicológico em cima dos obreiros para evitar mais evasão?
Enfim, vivemos dias em que espera-se tudo.
JESUS está VOLTANDO!

Com informações Holofote.net

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

‘Calvinistas são aliados do movimento gay’, afirma Deputado Jean Wyllys

Voltando a relacionar os princípios defendidos por católicos e evangélicos ao regime fascista, o deputado federal e ativista gay, Jean Wyllys, criticou abertamente padres e pastores que pregam contra a homossexualidade.
Ele afirmou que não são todos os cristãos que entendem que o homossexualismo seja abominação: “É importante dizer que não são todos os padres e pastores que promovem esse tipo de incentivo. O movimento LGBT tem muitos aliados na Igreja Católica e, também, entre os evangélicos. Inclusive, existem Igrejas Inclusivas, Calvinistas, com o protestantismo histórico, que não são contrárias à dignidade dos homossexuais”, afirmou, mencionando o pai do ministro da saúde Alexandre Padilha, que lidera um movimento de protestantes tradicionais, como batistas, anglicanos e luteranos, e que prega a tolerância ao movimento homossexual.
Na entrevista concedida ao jornal Extra, de Pernambuco, o deputado também voltou a bater na tecla de que os cristãos que pregam uma doutrina contrária ao homossexualismo são responsáveis pelas mortes de gays, vítimas de intolerância; e que se utilizam do dinheiro arrecadado com dízimos e ofertas, livres de impostos (isenção prevista na Constituição) “para promover campanhas difamatórias contra mim, colocando-me a imagem de ‘inimigo do cristianismo’”.
Jean Wyllys frisou que “padres e pastores vêm a público, através do rádio, da TV e em jornais impressos, alegando que o homossexual é abominável”. Eles estão usando espaço alugado em emissoras que utilizam concessão pública, e que na opinião dele é errado.

Com informações do Gospel+

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Casos de pedofilia custaram US$ 2 bilhões à Igreja Católica

Os casos de abusos sexuais a menores já custaram à Igreja Católica em nível internacional mais de US$ 2 bilhões, informaram nesta quarta-feira os americanos Michael Bemi e Patricia Neal no simpósio organizado pelo Vaticano para discutir os escândalos de clérigos pedófilos. Michael Bemi, do National Catholic Risk Retention Group, de Vermont, e Patricia Neal, diretora do programa de proteção de crianças VIRTUS, disseram no terceiro dia do evento, realizado na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, que esses casos tiveram “profundas consequências negativas” para a Igreja Católica. Os dois especialistas detalharam que não é possível avaliar os danos causados nas vítimas, cujas vidas mudaram para sempre, e por isso analisaram apenas os prejuízos causados à Igreja por estes escândalos.
Esses US$ 2 bilhões foram pagos nos acordos estabelecidos durante os processos das vítimas contra as dioceses, em julgamentos, assessorias legais, tratamentos para as vítimas e acompanhamento dos agressores, entre outros gastos. Sobre as pessoas que sofreram abusos, Bemi e Neal d
estacaram que ainda não existe um estudo em nível mundial, mas que, só nos Estados Unidos, a estimativa é que 100 mil pessoas foram vítimas desses abusos. Esse número deve ser somado às centenas de casos denunciados na Irlanda, Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, Índia, Holanda, Filipinas e Suíça, entre outros países.
Bemi e Neal frisaram que os escândalos sexuais, além de custar uma quantidade de dinheiro que podia ser destinado à construção de hospitais, escolas, seminários e igrejas, causaram doenças e transtornos psíquicos, emocionais e sexuais às vítimas, assim como traumas nos familiares. E, além disso, dispararam as suspeitas em relação a todos os padres e aumentou o distanciamento dos laicos da Igreja. Os dois especialistas asseguraram que é preciso dissipar qualquer equívoco e reconhecer que os escândalos não foram exagerados pelos “meios de comunicação ateus” e que os crimes não têm nada a ver com a orientação sexual, “já que a realidade é que nem a homossexualidade nem a heterossexualidade são um fator de risco, e sim a orientação sexual desordenada ou confusa”.
Também discursou o promotor do Vaticano, Charles Scicluna, que disse que é errado e injusto aplicar a “lei do silêncio” aos casos de pedofilia e que a Igreja tem a obrigação de cooperar com as autoridades civis. “É essencial essa cooperação. O abuso sexual a menores não é só um delito canônico, se trata também de um delito previsto no Direito Civil”, destacou Scicluna. O prelado ressaltou que reconhecer e admitir a verdade absoluta “com todas as dolorosas repercussões e consequências” é o ponto de partida para uma cura autêntica, tanto das vítimas quanto do autor dos abusos. De acordo com o promotor, as vítimas precisam ser ouvidas com atenção e tratadas com dignidade quando embarcam na “esgotante” viagem da recuperação e da cura, e que por isso é necessária a ajuda de especialistas.
Scicluna acrescentou ser extremamente importante que o abusador admita seu pecado, seu crime e sua responsabilidade pelos danos causados às vítimas, à Igreja e à sociedade. O promotor se referiu às medidas adotadas por Bento XVI em 2010 contra a pedofilia, entre elas a ampliação de 10 para 20 anos do tempo para denunciar os abusos e a introdução do delito de aquisição, posse e difusão de pornografia infantil por parte dos clérigos. Scicluna destacou que no sacerdócio e na vida religiosa não há lugar para nada que prejudique os jovens e garantiu que nenhuma estratégia de prevenção de abusos por parte da Igreja irá funcionar se faltar credibilidade.
Do simpósio participam 110 representantes de conferências episcopais e 30 superiores religiosos, que realizaram hoje uma vigília penitencial na qual o cardeal Marc Oullet, prefeito da Congregação para os Bispos, pediu perdão a Deus e às vítimas pelos abusos sexuais cometidos por padres, que classificou como “fontes de vergonha e um escândalo enorme”.

Com informações do Terra