Deus vai abençoa você

sábado, 22 de setembro de 2012

Edir Macedo ataca Igreja Católica e rivais evangélicos

Edir Macedo já teve uma biografia, escrita pelos jornalistas Douglas Tavolaro e Christina Lemos, da TV Record, publicada em 2007. Agora, em coautoria com Tavolaro, o líder da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da emissora resolve contar suas memórias em primeira pessoa, e em três volumes. O primeiro, "Nada a Perder", foi lançado há pouco mais de um mês, em agosto. Boa parte das 288 páginas da obra são permeadas por críticas à Igreja Católica. O religioso escolheu abrir o livro relatando sua prisão, em 1992, sob a acusação de charlatanismo, curandeirismo e estelionato. E já na terceira página faz referência aos católicos, um dos alvos constantes das pregações da Universal e a quem responsabiliza pela detenção.
"O Clero Romano mandava e desmandava no Brasil, mais do que nos dias de hoje (...) A Cúria não admitia o surgimento de um povo livre da escravidão religiosa imposta por eles", escreve Macedo.
Há ainda referências às denúncias de pedofilia que rondaram o ambiente católico recentemente e o relato de quando se tornou evangélico e destruiu aos gritos de "desgraçados" as imagens de santos que até então usava como amuletos. Mas nem todos os "vilões" são católicos.
Sem dar os nomes, o bispo dispara contra desafetos como Valdemiro Santiago, ex-Universal do Reino de Deus e hoje líder da Mundial do Poder de Deus, que está tirando fiéis de sua denominação. Assim como já vem fazendo em cultos, Macedo compara os dissidentes a demônios. Sobra também para o cunhado R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, que dividiu a liderança com Macedo na fundação da Universal e foi destituído numa votação após divergências sobre o rumo da igreja. (Folha de S.Paulo)
Fonte: blog do Magno Martins

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Fragmento de texto cristão indica que Jesus foi casado

A descoberta de uma pesquisadora da Universidade de Harvard (EUA) pode ajudar a esclarecer um dos aspectos mais controversos da vida de Jesus Cristo. Karen King, especialista em religião, encontrou um papiro do século 4 da nossa era cujo texto indica que Jesus Cristo foi casado.
O texto foi apelidado de "Evangelho da esposa de Jesus". A parte do texto que chamou a atenção dos pesquisadores é a seguinte: "Então, Jesus disse a eles: eis a minha esposa", de acordo com a tradução feita do copta (antigo idioma egípcio). "A tradição cristã sempre sustentou que Jesus não era casado, embora não exista evidência histórica para respaldar essa tese", disse Karen durante uma palestra em Roma, nesta terça-feira.
Segundo a pesquisadora de Harvard, "este novo evangelho não prova que Jesus era casado, mas nos diz que toda questão surgiu apenas como parte dos intensos debates sobre sexualidade e casamento. Desde o início, cristãos discordavam se era melhor não casar, mas foi apenas mais de século depois da morte de Jesus que começaram a recorrer à condição matrimonial dele para apoiar suas posições." De acordo com Karen, mostrar Jesus solteiro era uma maneira de fortalecer as posições católicas sobre temas como o celibato.
O fragmento tem oito linhas de texto de um lado e está muito danificado no verso, com apenas três palavras e algumas letras visíveis. O dono do documento procurou Karen em 2010, e na época ela duvidava da veracidade do fragmento do papiro. A tese sobre Jesus ter sido casado ganhou fama com o livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown. (vi no Huffington Post)

Fonte: Yahoo notícias
Postado por Sérgio Ramos/Repórter – 19/09/2012
Contato: felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Homem diz que Deus falou com ele, quando estava em coma

Em um vídeo postado em fevereiro no Youtube, mostra um homem contando seu testemunho na igreja Shalom Adonai na Colômbia. Ele relata que Deus falou com ele e salvou sua vida, quando ele estava em coma no hospital.
Ele diz que ficou em coma no hospital, por um mês, após um atentado contra sua vida, onde ele foi alvejado por três tiros. Em seu testemunho ele diz que morreu e viu Deus em sonhos, e falou com ele e disse que ele estava morto.
Assista ao vídeo do testemunho abaixo. E nos diga se você acredita que Deus pode falar com alguém diretamente.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Pastor Youcef Nadarkhani é liberto da prisão no Irã

 O pastor iraniano condenado à morte por se recusar a negar sua fé cristã foi libertado da prisão e se reuniu com sua família, de acordo com a Solidariedade Cristã Mundial .
Fontes da CSW relatam neste último sábado (08) que o pastor Yousef Nadarkhani foi absolvido das acusações de apostasia. Durante o processo, o tribunal considerou-o culpado de evangelizar muçulmanos e o condenou a três anos de prisão, tempo que ele já cumpriu.
Nadarkhani foi preso em 2009 pouco depois de questionar o monopólio muçulmano, que forçava as crianças, incluindo seus próprios filhos, a lerem o Alcorão, sendo esse o motivo que o pastor considerava inconstitucional. Ele foi condenado à morte em 2010 por apostasia depois de se recusar a renunciar a sua fé cristã.
Pastor Nadarkhani ficou preso por quase três anos. Mas uma onda de pressão internacional e inúmeras campanhas pela liberdade do pastor durante os últimos anos tem pressionado o governo iraniano para libertá-lo.
Durante sua aparição no tribunal programado para sábado, Nadarkhani era esperado para enfrentar novas acusações, mas em vez disso ele foi autorizado a ir para casa.
“A CSW tem o prazer de tomar o conhecimento da liberação do Pastor Nadarkhani, depois de um longo encarceramento”, Mervyn Thomas, diretor-executivo da CSW, disse. “Nós elogiamos o judiciário iraniano por este ato, que é um triunfo para a justiça e o Estado de Direito.”
 “Enquanto nós nos alegramos com esta notícia maravilhosa, nós não nos esqueceremos das centenas de outros que são molestados ou injustamente detidos por conta de sua fé”, acrescentou.

O Centro Americano de Lei e Justiça, que tem estado envolvido nos esforços para libertar Nadarkhani, também comemorou a sua libertação.
“A história do Pastor Youcef é um exemplo de como o mundo podem se unir para garantir que a justiça seja feita e liberdade preservada”, disse a ACLJ, em comunicado à CBN News.
“Enquanto louvamos a libertação do Pastor Youcef, devemos reconhecer que o Irã sentiu-se obrigado a preservar a face entre seu povo e continuar seu padrão de suprimir a liberdade religiosa com táticas de intimidação”, eles continuaram.
“A atenção internacional para esta questão salvou a vida deste homem, mas não devemos esquecer-nos do direito humano à liberdade de religião que inclui o direito à liberdade de expressão”, o ACLJ acrescentou. “Nós também não deve esquecer das inúmeras outras minorias religiosas no Irã que estão presos e enfrentam perseguição por sua fé.”
Outro ministério que acompanhou de perto o caso do Pr. Nadarkhani, Present Truthmm, publicou uma nota em seu site, informando que o pastor esta em sua casa com sua família e agradeceu a todos que o apoiaram e oraram por sua libertação: “obrigado a todos que me apoiaram com as suas orações”.
Apesar de estar livre, o ministério alerta que a vida do pastor ainda corre sérios perigos, lembrando-se de um fato que aconteceu há duas décadas.  O pastor Mehdi Dibaj, esteve envolvido em um caso similar ao pastor Nadarkhani, sofrendo acusações de apostasia, ao ser absolvido foi assassinado pouco tempo depois de sua libertação.
Oremos por ele, sua família e todos os envolvidos no seu caso.

Fonte: Portal Padom/Com informações CBN e presenttruthmn


sábado, 8 de setembro de 2012

Campanha alemã quer reaproximar católicos e protestantes

Figuras conhecidas da Alemanha, nas áreas de política, cultura, esporte e entretenimento, apresentaram uma declaração em Berlim, fazendo um “apelo urgente” pela unidade entre as igrejas católica e protestante.
“Hoje, o cisma da igreja não é desejado nem justificado politicamente”, afirma o comunicado intitulado “O ecumenismo agora – um só Deus, uma só fé, uma só Igreja”. ”Será que fatores teológicos, hábitos e tradições eclesiásticas institucionais e culturais sustentam o cisma entre as igrejas? Não pensamos assim.”
 A declaração pedindo o fim da ruptura de quase 500 anos entre as igrejas foi assinada por políticos, incluindo o chefe do parlamento alemão Norbert Lammert, o ministro da Defesa, Thomas de Maizière, e o chefe do Partido Social Democrata, Frank-Walter Steinmeier.
 Entre os 23 signatários (católicos e protestantes) estão o apresentador de TV Guenther Jauch, o chefe da Federação Alemã de Esportes Olímpicos, Thomas Bach, e o escritor Arnold Stadler, bem como artistas e acadêmicos.
 A declaração lembra que tanto o Concílio Vaticano II, que completará 50 anos no próximo mês e a Reforma, que comemorará seu 500 º aniversário em 2017, tiveram um grande impacto na sociedade mundial. Algo que continua a ser sentido nas diferentes denominações. A iniciativa pede que os membros leigos das igrejas que tenham um papel ativo, vendo estes aniversários como uma oportunidade de mudança.
 “Não podemos e não devemos permitir que o problema da unidade da Igreja continue até que os líderes da igreja cheguem a um entendimento sobre a Sagrada Comunhão e administração”, disse o comunicado. ”Não podemos estar satisfeitos em simplesmente ver as igrejas reconhecendo umas às outras.”
 A questão da Sagrada Comunhão interdenominacional é um tema polêmico  na Alemanha, que contabiliza cerca de 50 milhões de cristãos, divididos quase igualmente entre católicos e protestantes. É comum casamentos entre pessoas que professam outro tipo de fé. Membros de ambas as denominações têm apelado repetidamente para que as regras eclesiásticas sejam relaxadas para que os católicos e protestantes possam celebrar a Sagrada Comunhão juntos.
 Em um comunicado respondendo ao documento “Ecumenismo Agora”, o arcebispo Robert Zollitsch, presidente da Conferência Episcopal Católica Alemã, acredita que essa questão é como “uma ferida que continua aparecendo, e que destaca a falta de entendimento comum na fé “.
 “A iniciativa do documento “Ecumenismo Agora” teve uma recepção muito positiva”, acredita Thies Gundlach, vice-presidente da Igreja Protestante na Alemanha. “É um esforço para ver o futuro do ecumenismo não só como responsabilidade dos líderes da igreja, mas também lembrar que a unidade é responsabilidade de todos os cristãos. Somos gratos por ver que os cristãos evangélicas e católicos alemães hoje estão mais unidos que nunca”.
 Mas é importante, disse ele, não apagar seus próprios entendimentos teológicos básicos.  “No início do século 16, os reformadores desenvolveram uma visão diferente da igreja… é importante avançarmos com o máximo de velocidade possível sobre as questões ecumênicas, mas também ter paciência”, concluiu Gundlach.
 O teólogo Luiz Carlos Fernandes, consultor do Gospel Prime, entende que isso tudo é parte de um processo escatológico irreversível. Ele faz a seguinte análise:
 “A profecia bíblica sobre os últimos dias será cumprida. A história se repete. Assim como nos dias de Carlos Magno, a Alemanha está construindo o mesmo tipo de império que os papas governaram na Idade Média quando a igreja fugiu para o deserto. A Alemanha, por meio de seu secreto Grupo de Berlim, já está planejando ressuscitar uma ditadura novamente com uma única pessoa no comando de toda a Europa, que receberá grande poder e autoridade, mas que também terá forte fidelidade ao papa.
 Angela Merkel é muito forte hoje em dia porque apoia o papado, e o papado a apoia. Qualquer líder alemão em sua posição como chanceler, e que trabalhe tão avidamente para unir a Europa sob o modelo de Carlos Magno, teria forte apoio papal.
 A União Europeia é uma fronte que cobre as ambições alemãs, pois a Alemanha detém o controle da União Europeia. E, assim como Carlos Magno teve que passar por um mar de sangue a fim de se estabelecer como regente da Europa e estabelecer a religião católico-romana como a fé da Europa, assim também em um futuro próximo, aguardem, pois haverá mais derramamento de sangue para restaurar o Sacro Império Romano que só existe para ressuscitar a religião de Roma no império”.
 Fonte: Gospel Prime
Postado por Dc. Sérgio Ramos/Contato: dcsergiorm@gmail.com

“Busque sempre à presença de JESUS CRISTO para sua vida, e não ligue para o que vão falar de você, e veras coisas grandes acontecer em seu viver, acredite”.

“Dc. Sérgio Ramos”













quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Cena de masturbação com crucifixo causou escândalo no Festival de Veneza

A comunidade católica está indignada com uma cena do filme do irreverente cineasta Ulrich Seidl, “Paradise: Faith”, apresentado no 69 edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza.
O escândalo no Festival de Veneza veio três dias após a exibição do filme “Paradise: Faith” (‘ Paraíso: Fé ‘) de Ulrich Seidl, um filme que concorre pelo Leão de Ouro, juntamente com 17 outros filmes.
A cena em que Anna Maria, uma devota católica, chega a se masturbar com um crucifixo, que  ela pega na parede de seu quarto, o carícias, beija com grande intensidade , até que finalmente ela se masturba com o objeto sagrado, já foi qualificado como um dos mais provocantes do cinema contemporâneo.
“A protagonista não entende que a adoração cega por Cristo torna-se um ser desumano, incapaz de sentir amor e comunicar a virtude mais importante cristã: amar o próximo”, disse o diretor.
O filme conta a história de uma mulher totalmente dedicada ao catolicismo, que decide ir de porta em porta em toda Veneza para tentar convencer as pessoas a aderir cristianismo.
A Película de Seidl, segundo os especialistas em cinema, denuncia com uma linguagem irônica o fanatismo religioso, no entanto para alguns católicos, é uma ofensa gratuita contra a comunidade religiosa na Itália, que é um dos países mais católicos do mundo.
O advogado Pietro Guerini, que dirige uma associação de radical católica na Itália, entrou com uma ação contra o diretor do filme, Seidl, a atriz Maria Hofstätter e contra os seus produtores e organizadores da edição 69 do Festival de Cinema de Veneza.
Todos eles “por meio de uma manifestação de uma das cenas blasfemas e ultrajante”, que violou os artigos 403 e 404 do Código Penal da Republica Italiana (“crimes a uma confissão religiosa por degrinir as pessoas e através do desprezo”), diz a ação judicial.
Enquanto isso, Seidl afirmou que não vai pedir desculpas aos católicos. “Eu não tenho nenhuma razão para pedir perdão. Ao invés disso, eu estou feliz. Se por alguma cena mostrada no meu filme é um tabu, isso não significa que não tenho o direito de incluir esta cena no filme”, disse o diretor do polêmico filme, em entrevista, publicada na terça-feira ao jornal ‘The Hollywood Reporter’.

Fonte: Portal Padom
Postado Por Sérgio Ramos/Repórter – 06/09/2012
Contato: felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Mulher processa padre por barulho de sino de igreja em Campo Novo, RS

Uma médica do Rio Grande do Sul acionou judicialmente um padre devido ao som do sino da igreja e à música que anuncia a realização da missa em Campo Novo, município de 5,4 mil habitantes na Região Noroeste. Há 50 anos, o sino da Paróquia São Sebastião toca três vezes por dia, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço, da RBS TV.
No documento encaminhado ao Ministério Público, a moradora diz que o padre impõe à população músicas em alto nível de decibéis, por meio de alto-falantes, causando poluição sonora e prejudicando a saúde. Ela também reclama das badaladas do sino, que toca diariamente às 7h. Ela aciona o padre Antônio Ângelo Dal Piva por contravenção penal de perturbação do trabalho ou sossego alheio e crime ambiental. O pároco afirma que a mulher, que mora na cidade há poucos meses, não o procurou antes de recorrer à Justiça. Já a autora do processo lamenta que o religioso não tenha aceitado fazer um acordo.
Segundo o advogado, se houver condenação, a pena é de 15 dias a três meses de prisão. Além disso, o padre seria obrigado a suspender o toque do sino e as músicas aos domingos. "Estamos fazendo a defesa alegando que os decibéis não chegam a 85, e por isso não há motivo para que seja parado o sino e também a música, que a igreja coloca ao ar para chamar os fieis à Missa", afirmou.
O padre recorre à Bíblia para criticar a autora do processo. “Antes de terem ido à delegacia, por que não vieram falar comigo diretamente? Até no Evangelho diz ‘acerte as contas com teu amigo enquanto estás no caminho’, só depois leve ao tribunal. E eu fui levado ao tribunal antes de saber das coisas. Acho que houve um desentendimento e o não conhecimento de um pouco de educação”, criticou o pároco, que atua na região há dois anos e 10 meses.

Moradores apoiam padre

O padre conta com o apoio de boa parte da comunidade. A farmacêutica Vera Regina Rossi conta que mora em frente à igreja há 37 anos e nunca se sentiu incomodada. “Não vejo motivo para parar uma tradição secular por causa de uma pessoa que recém chegou à cidade”, alfineta.
O comerciante Vilmar Dallabrida vê no sino e nas músicas um guia para as atividades diárias. “O sino para mim é um despertador de manhã. Ao meio-dia, quando toca, a gente sabe que tem que fechar a loja, e à tarde, às 18h, é hora de ir embora. Então não atrapalha, só traz benefícios ao comércio”, argumenta.

Fundador da paróquia chora

Um dos fundadores da paróquia há 50 anos, Emílio Gobbi não se conforma com a possibilidade de não ouvir mais as badaladas do sino. “É uma coisa muito triste. Às 7h bate o sino, nos alerta e nos levantamos faceiros. É verdade ou não é? Agora ficamos tristes”, diz Gobbi, sem conter as lágrimas.
Médica se defende

Por e-mail, a médica disse que respeita todas as religiões, mas que elas também devem respeitar o descanso de domingo. Ela conta que a música dos alto-falantes atrapalha o descanso dela após longos plantões de trabalho.

Fonte:  G1 RS
Postado por Sérgio Ramos/Repórter -05/09/2012

Evangélico ganha R$ 50 mil de indenização por ser obrigado a ver pornô na Ambev

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decretou o pagamento de uma indenização de R$50 mil para um funcionário da filial de Curitiba da Companhia de Bebidas das Américas (Ambev), nesta segunda-feira. Segundo informaram os magistrados, Elcio Milczwski, que alega ter sido obrigado a ver filmes pornôs dentro da empresa, sofreu danos morais, e tem o direito à indenização.
Elcio, que é casado e evangélico, afirmou ter passado por situações vexatórias e constrangedoras dentro da empresa. De acordo com ele, nos anos de 2003 e 2004, seu gerente levava garotas de programas às reuniões e o obrigava a assistir shows de stripper e filmes pornôs como forma de ‘motivar’ a cumprir suas metas.
Nos autos, o profissional afirmou também que chegou a ficar amarrado na própria sala de trabalho para assistir filmes pornôs e performances de strippers. Além disso, o gerente também organizava festas em chácaras e levava garotas de programa e dava “vale garota de programa” aos funcionários que atingissem as metas.
A Ambev recorreu da sentença no TST e na primeira e na segunda instância, mas o colegiado não reconheceu o recurso. A empresa alegou que o valor da indenização é desproporcional frente ao dano sofrido pelo empregado que seria mínimo.
Em nota enviada ao G1, a Ambev reconheceu os comportamentos indevidos aos funcionários dizendo que “prega o respeito e valoriza o trabalho em equipe.”
“A companhia, que conta com mais de 30 mil funcionários do Brasil, não pratica ou tolera qualquer prática indevida com seus funcionários. Casos antigos e pontuais não refletem o dia a dia da empresa. O bom ambiente de trabalho é refletido pelos inúmeros prêmios de gestão de pessoas que a Ambev recebe a cada ano”.
Por Amanda Gigliotti | Repórter do The Christian Post
Postado por Sérgio Ramos/Repórter -05/09/2012


Igreja Católica ‘parou há 200 anos’, diz cardeal italiano

A Igreja Católica está “200 anos atrás” dos tempos atuais, nas palavras do cardeal italiano Carlo Maria Martini, que morreu na sexta-feira aos 85 anos.
A opinião do religioso – que chegou a ser citado como cotado ao papado – foi dada durante a sua última entrevista, gravada em agosto e publicada pelo diário Corriere della Sera, de Milão.
 ”A nossa cultura envelheceu, as nossas igrejas são grandes e vazias e a burocracia eclesiástica está crescendo, os nossos ritos religiosos e vestimentas são pomposos”, afirmou o cardeal na entrevista, em que propôs uma mudança de direção radical.
Milhares de pessoas vêm prestando as suas últimas homenagens a Martini na catedral de Milão, onde ele foi arcebispo por mais de 20 anos, até se aposentar em 2002, já sofrendo do Mal de Parkinson.
Em sua última entrevista, o cardeal afirmou que muitos católicos perderam a confiança na Igreja Católica e defendeu, entre outras adaptações, uma postura mais generosa em relação aos divorciados.
Além disso, ele pediu que a mudança comece no topo com uma “transformação radical, começando pelo papa e seus arcebispos”.

Escândalos sexuais

 

Martini tinha voltado à Itália recentemente, depois de passar os últimos se aprofundando em estudos bíblicos em Jerusalém.
“Os escândalos sexuais envolvendo crianças nos obrigam a uma viagem de transformação”, disse Martini, referindo-se às várias acusações de pedofilia que surgiram contra líderes católicos nos últimos anos.
O popular cardeal jesuíta era considerado liberal em diversos aspectos e foi muito respeitado pelos papas João Paulo II e seu sucessor, Bento XVI.
Analistas dizem que ele ficou conhecido como crítico corajoso durante a sua passagem pela maior diocese da Europa.
Ele não se furtava a tocar em temas que muitos no Vaticano consideram tabu, entre eles, o uso de preservativos para combater a Aids na África e o papel das mulheres no clero.
Em 2008, ele chegou a criticar a proibição da Igreja à contracepção, afirmando que a postura possivelmente afastou muitos fieis. Dois anos antes, ele declarara publicamente acreditar que camisinhas são, em algumas situações, “o menor dos males”.
No entanto, é muito incomum que um integrante do alto escalão do clero critique abertamente a forma com que a Igreja põe seus ensinamentos em prática.
Analistas afirmam que o papa agora tem pela frente uma decisão difícil: comparecer ou não ao funeral de Martini na segunda-feira – o que, para muitos, seria uma poderosa afirmação da unidade da Igreja Católica.
O atual pontífice é conhecido por não premiar líderes católicos que se atrevam a questionar a doutrina.
A última entrevista do religioso foi dada no início de agosto a um jornalista e ao também jesuíta Georg Sporschill.
O cardeal Martini foi um acadêmico e estudioso da bíblia respeitado, além de prolífico autor de livros populares sobre religião.
Corriere Della Sera agora planeja distribuir cópias do último livro do cardeal ,Fale do Coração (em tradução livre), aos seus leitores.
Postado por Sérgio Ramos/Repórter -05/09/2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Reverendo Moon, o autointitulado ‘messias’ morre aos 92 anos

O reverendo Sun Myung Moon, fundador da Igreja da Unificação, uma instituição significativa no leste da Ásia, que ganhou fama há décadas por realizar casamentos em massa e proprietário do jornal The Washington Times, morreu na segunda-feira na Coreia do Sul.
A Federação das Famílias para a Unificação e Paz Mundial informou em seu site que o Rev. Moon morreu aos 92 anos, na manhã desta segunda-feira (domingo no Brasil) de complicações relacionadas à pneumonia.
“Nosso Verdadeiro Pai passou para o mundo espiritual, as 01:54h desta segunda-feira, 3 de setembro, na Coréia”, esta escrito em inglês em um site da Igreja da Unificação.
A morte de Moon, foi divulgada em todos os jornais do país, inclusive pelo The Washington Times,que ele mesmo fundou, e em todo o mundo.
“Palavras não podem expressar o meu coração neste momento”, disse Thomas P. McDevitt, presidente da Times, em um publicação do jornal. “Reverendo Sun Myung Moon há muito tempo ama a América, e ele acreditava na necessidade de uma imprensa livre poderosa para transmitir informações precisas e de valores morais para as pessoas em um mundo livre.”
McDevitt acrescentou que a Times é uma “expressão tangível desses dois amores.” Em 2010, o jornal foi vendido a um grupo que opera em nome de Moon, de acordo com um comunicado publicado no site do jornal.
De acordo com o porta-voz da igreja, Ahn Ho-yeol, disse que os médicos colocaram Moon em terapia intensiva em hospital de Seul, no mês passado depois que ele adoeceu. Na época, os médicos lhe deram 50% de chance de sobrevivência.
Dias depois, um de seus filhos, o Rev. Hyung Jin Moon, disse durante um sermão publicado em um site da igreja que seu pai teve vários problemas de saúde nos últimos anos, incluindo uma cirurgia cardíaca realizada nos Estados Unidos cerca de 10 anos atrás. Mas, ainda assim, ele continuou com a missão de sua vida.
“Pai, que é o responsável para salvar o mundo, esforçou-se muito além de seus limites”, disse o filho, que tem um papel importante na igreja.
Moon foi um evangelista de alto perfil internacional há décadas, tendo dito que Jesus Cristo veio até ele em 1930 e “disse-lhe para terminar a missão de Jesus”, de acordo com James Beverley, um professor da Universidade Tyndale College e Seminário em Toronto.
A Igreja da Unificação acredita que Jesus era divino, mas que ele não é Deus, uma posição que o coloca fora dos limites do cristianismo tradicional. Moon era considerado pelos seus seguidores como o Messias.
Sua igreja começou oficialmente em 1950, com os missionários sendo enviados em todo o mundo até o final da década. Globalmente, seu alcance pode ter atingido o pico na década de 1970 e início de 1980, quando centenas de milhares se juntaram ao singular movimento religio, disse Beverley. Críticos afirmam que o controverso Moon conduz um culto cujos seguidores foram coloquialmente conhecidos como “Moonies”.
“Rev. Moon exigiu muito de seus membros – um monte deles deixaram suas famílias e viveram em muito sacrifício, especialmente na década de 1970, disse o professor. “Moon alega ser o verdadeiro pai da humanidade, e sua esposa é a verdadeira mãe.”
Hoje, Beverley estima que a Igreja da Unificação tenha centenas de milhares de seguidores ainda na Coréia do Sul e Japão, com muito menos em outros lugares ao redor do globo.
Em seu papel como líder da igreja, Moon é famoso por realizar casamentos em massa, incluindo um em 1982 no Jardim Madison Square em Nova Iorque e um em 1995 na Coréia do Sul onde uniu 360.000 casais.
 “Era a sua maneira de enfatizar a importância da família, além de todos esses casais se casaram sob sua bênção, que é, basicamente, o seu caminho para o céu”, disse Beverley.
Partidos arranjados era uma prática comum para os membros da Igreja da Unificação. Howard Self, um porta-voz dos organizadores de uma cerimônia de massa 1997 em Washington no Robert F. Kennedy Stadium, disse após o evento que aqueles que foram abençoados por Moon poderiam, então, ser legalmente casado mais tarde “em seus próprios países”.
Moon teve influência de outras formas, bem como, estimular a criação de publicações de notícias, universidades, instituições religiosas e outras organizações. Fez grande esforço no dialogo de paz inter-religioso, como na Federação da Paz Universal, que defende “a construção de um mundo de paz em que todos possam viver em liberdade, harmonia, cooperação e prosperidade”.
Ele também enfrentou problemas com a lei, cumprindo uma pena de prisão federal nos Estados Unidos por evasão fiscal. De 2003 a 2005, o governo britânico proibiu-o de entrar naquele país, de acordo com um relatório americano do Departamento de Estado.
Ainda assim, a Moon continuava a sendo considerado grande em outros lugares, inclusive em Washington.
Em um vídeo de 2004, publicado no site do que era conhecido como a Federação Inter-Religioso e Internacional para a Paz Mundial, mostra uma cerimônia realizada no Edifício Dirksen no Gabinete do Senado, com a presença de Moon e vários membros do Congresso. Falando em coreano, Moon declara-se o Messias e afirmava que havia falado com os espíritos do líder nazista Adolf Hitler e do líder soviético Joseph Stalin, ambos lhe contaram que encontraram força em seus ensinamentos que lhes ajudaram a ‘renascerem como novas pessoas’.
No vídeo da cerimônia, aparece o deputado Danny K. Davis (Democrata, do Illinois), lendo um poema, usando luvas brancas, carregando uma almofada, sobre a qual estava uma coroa ricamente decorada, que foi colocada sobre a cabeça de Moon. Davis disse mais tarde que ele achava que era tudo parte de uma cerimônia de paz inter-religiosa, acrescentando que Moon não pediu a sua “permissão para chamar a si mesmo o messias”.
Moon foi tradicionalmente um forte defensor de políticos republicanos, incluindo Richard Nixon e Ronald Reagan, disse Eileen Barker, professora da London School of Economics e Ciências Políticas.
Ele também era conhecido por ser “virulentamente anticomunista”, tendo sido preso na Coreia do Norte durante a Guerra da Coreia antes de ser libertado pelos aliados, ela disse
Moon abrandou a sua linha dura sobre a Coreia do Norte, apesar de, ao longo do tempo – até mesmo se reunir com o fundador da Coréia do Norte (e avô de seu líder atual), o falecido Kim Il Sung, e investir o dinheiro no norte.
No sermão de 19 de agosto, o Rev. Hyung Jin Moon falou sobre a doença de seu pai e elogiou seus esforços ao longo dos anos, bem como a afirmação de algumas posições políticas da família no que diz respeito a China, a Rússia e outros.
O jovem Moon também fez questão de agradecer a todos aqueles que têm orado pela saúde de seu pai.
“Nós precisamos nos lembrar, o pai não é apenas uma pessoa normal”, disse o Rev. Hyung Jin Moon. “Corpo Pai não é apenas um corpo normal.”
Do Padom: “Jesus Cristo é e sempre será o Único e Verdadeiro Messias enviado por Deus. Sua missão foi completa, ele não deixou nada para ‘outro’ fazer. Ele morreu e ao terceiro dia ressuscitou e Vive e Reina Para todo o Sempre!!! Moon, está enterrado e seu corpo com certeza fará sua trajetória como todo o ser humano, irá se tornar pó (terra)”. Ele deixa viúva sua segunda esposa e seus 10 filhos.
 Fonte: Portal Padom
Traduzido e adaptado de CNN por Portal Padom Com informações de Espada.eti