terça-feira, 7 de maio de 2013

Católicos mexicanos ameaçam queimar evangélicos se não renunciarem a fé


Os evangélicos de San Juan Ozolotepec, no México, denunciaram que estão sofrendo perseguição religiosa por parte do prefeito municipal e alguns moradores.
Leopoldo Afonso Silva, que é pastor evangélico da  Igreja Cristã Pentecostal Independente  Getsemani, localizado no município San Juan Ozolotepec, informou que a comunidade e o prefeito municipal, Pedro Cruz González, os ameaçaram queima-los vivos em uma barraca se não renegarem suas crenças, informou o site Awakening Oaxaca.
O pedido de ajuda pela atitude de intolerância religiosa que existe em varias comunidades Oaxaca, teve uma aumento significante, pois as autoridades municipais estão exigindo que eles fechem seus templos, disse o pastor evangélico.
Ele recordou que desde 2011, quando faleceu Epifanio Reyes Ramírez, a prefeitura municipal proibiu o sepultamente de protestantes no cemitério municipal, o mesmo aconteceu no mês de março de 2011, quando faleceu Elen Villavicencio Cruz.
O atual prefeito mantém a mesma postura e argumentou que de acordo com o Conselho, eles têm que negar o enterro a qualquer pessoa que professa uma religiosa diferente da católica.
A Igreja Cristã Independente Pentecostal Getsemani , tem  em seu grupo além de adultos, cerca de 18 menores de idade, um dos quais foi expulso da escola secundaria porque seus companheiros o agrediram por professar outra religião.
Diante desta situação, este grupo de pessoas não tem direitos na comunidade nem acesso a programas sociais. Eles são impedidos de trabalhar em suas terras e ate mesmo o prefeito esta planejando expulsar todos os evangélicos com o argumento de que por não dar impostos, devem ser despejados conforme o estatuto comum.
Estamos com medo, irmão, porque temos passado coisas desagradáveis e agora querem nos queimar“, disse Leopoldo Afonso Silva, cujo testemunho foi apresentado diante as autoridades do governo estatal.
O diretor de Assuntos Religiosos do governo de Oaxaca, Francisco Zavaleta Rojas, os instruiu para a pagarem a multa de sete mil pesos que eles estão lhe impondo por não serem católicos, para quitar os problemas.
Enquanto isso, o diretor de Assuntos Religiosos da Secretaria do Governo, Artur Manuel Díaz León, continua a dizer que no México não existe intolerância religiosa.
Fonte: Portal Padom
Traduzido e adaptado de Acontecer Cristiano por Portal Padom