sábado, 19 de janeiro de 2019

Monsenhor Guilherme usa rede social para procurar por sua irmã.


Quero pedir sua ajuda para resolver um grande desafio: Encontrar uma pessoa da qual nem o nome eu sei.
Veja a história:
Morei, há 61 anos atrás, na fazenda Boa Vista, propriedade do doutor Apolônio Sales, lá no Tabuleiro de Monjope (Igarassu-PE). Vivia lá com meus pais, José Gomes da Silva e Rosa Gomes de Souza, e mais três irmãos e uma irmã.
Doutor Djalma Vanderley; Seu Adson Alvares; Seu Otacílio e meu pai formavam a equipe responsável pela administração da fazenda. Entre os trabalhadores da roça e outros habitantes do lugar, lembro-me do seu Manoel Bezerra e sua esposa dona Joventina (Mocinha); de seu Severino (Seu Biu) e dona Albina, sua esposa; Amadeu e dona Zefinha sua esposa; João Arruda e dona Izaurina, sua esposa e filhos, entre os quais Solange, Everaldo, Carlinho; Seu José Farias e esposa com seus filhos, inclusive Maria e Lalá; Seu Otacílio com sua esposa e seus filhos Geraldo e Aparecida. Lembro-me também de Neuza e sua irmã; e ainda de Antônio do maracujá; Seu Manoel Grande; dona Cícera e Seu Felipe; Seu Lero; o responsável pela Igreja Assembleia de Deus seu José Ferreira; Seu Seda e família; e finalmente seu Ananias e dona Inácia, sua esposa.
Da época, o ônibus de Seu Carlos fazia a linha Recife à Usina São José. Era o nosso transporte.
Dona Joventina Ana Maria da Conceição, esposa do Senhor Manoel Francisco Bezerra, faleceu no mesmo dia em que lhe nasceu uma criança do sexo feminino. Antes de falecer, ela já havia pedido a meus pais (José e Rosa), que criassem o menino Luiz que era afilhado deles.
Ao nascer a menininha e tendo falecido sua mamãe, minha mãe quis ficar também com a recém-nascida. Porém, o casal Ananias e Inácia pediu a minha mãe que deixasse a criança para eles. Insistiram alegando que não tinham filhos. Meus pais atenderam ao pedido do casal.  
Pouco tempo depois minha família voltou para Petrolândia. O Sr. Manoel Francisco Bezerra, agora viúvo, manifestou o desejo de voltar para sua terra, Umbuzeiro-PB.
Distanciados da família do Senhor Manoel Bezerra e do casal Ananias e Inácia perdemos o contato com a garota.
Onde estará essa não mais criança, mas agora uma senhora?
Aqui, nasce meu apelo a você, companheiro(a): Peço que me ajude a localizar essa senhora, que hoje deve estar, pelas minhas contas, com 59 anos de idade. Ela nasceu entre os anos de 1958 ou 1959. Trata-se de uma senhora de cor branca (quase loira) de olhos azuis, creio eu.    
Então, gente, o Lula é louco para conhecer a irmãzinha dele. E eu também.
Onde mora (ou morou, caso já tenha falecido), o casal Ananias e Inácia? Não sei o resto do nome deles e nem o nome da filha. É difícil encontrá-la, não é? Mas vamos encontrá-la sim! Tenho fé em Deus e na ação de cada um) dos meus amigos(as), que me acompanham. Está certo?
Por favor, compartilhem com seus amigos este apelo meu e do Lula.
Caso, a menina (a senhora) que procuro chegue a ver esse apelo, por favor, apresente-se, minha fia. Tá bom?

Então pessoal, o desafio é saber onde mora ou morou o casal Ananias e Inácia ao longo desses anos. Onde estará a caçulinha de Seu Manoel e Dona Joventina? Qual seu endereço?
Agradeço de coração a todos que ajudarem a descobrir o paradeiro dessa princesinha para nós.
Qualquer informação pode entrar em contato conosco através do Facebook ou pelos telefones: 081.9.9231-5687 (Claro) e 081.9.9257-6195 (Tim)
Que Deus abençoe a todos!

Monsenhor Guilherme Gomes da Silva



terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Qual a Razão do Batismo nas águas!


Com base em uma pergunta feita por uma amiga em minha rede social, após a publicação que fiz com as fotos dos meus filhos sendo batizados. Ela perguntou “Por que batizar ela na água, por que eu sei só existe um batismo!”, então resolvi discorrer um pouco sobre o tema: Batismo nas águas.

Conforme a afirmativa bíblica, o batismo nas águas, é um mandamento deixado por Jesus e não é opcional. As pessoas que aceitam Jesus Cristo como Senhor e Salvador, deve tomar a decisão de ser batizado nas águas.

Muito mais que um simples ritual, o batismo nas águas, representa o fato de uma pessoa que é batizada nas águas, a mesma fala publicamente que seu “velho eu” foi sepultado. Mas depois ela sai da água, assim, como Jesus se levantou da morte, o que simboliza que quem crê recebe o poder de Deus para viver uma vida renovada. Portanto o batismo nas águas tem o poder de transformação, também pode dizer que representa nascer de novo.

Isso aconteceu quando vocês foram sepultados com ele no batismo e com ele foram ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos.

Colossenses 2:12

A palavra de Deus afirma que todos nós fomos batizados em um único Espírito: Que judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um único Espírito.

1 Coríntios 12:13

Buscando entendimento nas sagradas escrituras, percebemos tem e deve ser uma decisão consciente, não sendo levada por alguém para que o batize (Batismo de Crianças), principalmente recém-nascidas, às quais logicamente, não tem sobre sim o discernimento necessário para saber o que é melhor pra sua vida, tanto na carne, como espiritual (Cristã).

Em Marcos 1: 9-10, podemos conferir, que Jesus veio de Nazaré da Galileia  e foi batizado por João no Jordão. E assim que saiu da água, ELE viu o céu se abrindo e o Espírito descendo como pomba sobre ele.

Pedro respondeu: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo”.

Atos dos Apóstolos 2:38

Mais uma vez percebemos, que em tese uma criança não tem pecados, então além de não dominar o conhecimento do certo e do errado, como pode arrepende-se dos pecados?

Prosseguindo pela estrada, chegaram a um lugar onde havia água. O eunuco disse: “Olhe, aqui há água. Que me impede de ser batizado?”. “Disse Filipe: ‘Você pode, se crê de todo o coração”. O eunuco respondeu: Creio que Jesus Cristo é o filho de Deus. Assim, deu ordem para parar a carruagem. Então Filipe e o eunuco desceram à água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe repentinamente. O eunuco não o viu mais e, cheio de alegria, seguiu o seu caminho.

Atos dos Apóstolos 8: 36-39


Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”. 

Mateus 28: 18-20

Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte? Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.

Romanos 6:3/ Mateus 28:18-20


Fonte: Biblia/bibliaon.com
Por Pr. Sérgio Ramos

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Reuel Bernardino renuncia à presidência do Gideões Missionários


Do Noticias Gospel Prime:
Reuel Bernardino. (Foto: Reprodução / Youtube)
Reuel Bernardino, pastor presidente da Assembleia de Deus em Camboriú, Santa Catarina e também presidente do Gideões Missionários da Última Hora renunciou aos cargos em anúncio nas redes sociais.
Ele afirmou que pediu jubilação à Convenção das Assembleias de Deus de Santa Catarina (CIADESCP), entregando assim tanto a direção da igreja como do ministério missionário.
“Não suportei mais tanta falsidade e ingratidão. Passo a cuidar de minha saúde daqui por diante e servir a Deus com liberdade”, queixou-se.
Presidente da instituição após a morte do seu pai, pastor Cesino Bernardino, a administração de Reuel era envolta em problemas financeiros.
“Quero louvar a Deus por tudo que fiz pelos Gideões desde que iniciei com meu saudoso pai”, afirmou. O Gospel Prime entrou em contato com o pastor Hueslen Ricardo Santos, vice-presidente do ministério que confirmou a informação.
Também fizemos contato com o pastor Reuel que até o fechamento da matéria não havia respondido.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Dezembro; Mês que a FALSIDADE Aflora!

(REPRODUÇÃO DO GOOGLE)

Muito particularmente, este é o mês do ano que gosto menos, visto que à maioria das pessoas passam o ano inteiro e não dirige uma palavra a ninguém. Mas quando chega a passagem de ano, aproximam-se de você com toda falsidade do mundo.

Jesus Cristo nos ensina que devemos nos amar uns aos outros, como ele nos amou. Porém; lamentavelmente até pessoas ligadas a seguimentos religiosos, com o sem cargos nos templos, vivem sem pô em prática o que nos é ensinado.

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei”. João 15:12

Diariamente pessoas vão às missas e cultos apenas por irem, visto que não são igrejas e nem vivem o evangelho de Cristo em seu dia a dia. Se o caso for entre evangélicos, só seus irmãos dentro do templo, na rua parece que não conhece você. Já entre os católicos romanos, vão a missa com frequência, mas se pudesse matariam todas as pessoas que não gostam.

Passam o ano inteiro agindo assim, mas ao chegar o mês de dezembro posam de bons samaritanos. Eu aprendo com Cristo, que devemos amar todos, que gostemos deles ou não, em qualquer tempo e independente de sua classe social ou religião.

Devemos ser cristão e não brincar de ser. A atenção, amor e carinho pelo outro deve ser demostrado diariamente e não apenas nos momentos que nos convém. Muitos pensam que o dinheiro é tudo, mas isto pode ser essencial, mas não fundamental, uma vez que a presença e um abraço sincero em muitas ocasiões valem e surti mais efeito na vida do outro.

Não adianta fazer promessas ao apagar das luzes, e ao iniciar o novo não procurar uma transformação verdadeira em nossas vidas e em nossos atos.

Por fim; dezembro não apenas o mês de trocar os móveis de casa, comprar roupas novas, trocar presentes entre outras coisas tão superficiais. Antes de tudo isto, é o mês que na tradição comemora-se o nascimento de Cristo, o salvador e redentor de nossas vidas.


sexta-feira, 23 de novembro de 2018

A imagem da semana: Uma cena para sensibilizar o ser humano


Da Redação:


Uma imagem que marca a semana. Um cachorro entra na Igreja de Nossa Senhora das Victórias, durante a celebração de uma missa na programação do Cerco de Jericó. E como o próprio padre descreveu, exatamente no momento do abraço da PAZ, o animal subiu o altar e foi até ele.

Mesmo sem ter pedido autorização ao padre José Sebastião Costa, eu tomei a liberdade de publicar, visto que a imagem já circula pelas redes sócias.

A cena que para muitos pode parecer engraçada, eu vejo como um chamamento aos seres humanos, para que despertem e percebem que devesse descer do salto e olhar mas para o próximo.

O cachorro, animal tido como irracional, nos mostra na prática e nos dar uma lição, de que todos são carentes de afeto. Mas lamentavelmente, estamos vivendo em sociedade, que a cada dia se torna mais egoísta, pensando só em si e deixando as coisas essenciais da vida. É na simplicidade que nossas vidas têm sentido.

Busquemos então, amar as pessoas do jeito que elas são e sem impor condições. Quantas pessoas vivem à espera de um abraço, assim como este animal? E muitas vezes, passamos distante, como se elas não existissem!

São pessoas, que lotam as igrejas, mas não tem o sentimento de Cristo na sua vida diária, vivem a pisar e humilhar seus semelhantes, tentado com isto, desestabiliza-los e muitas vezes tomar sua colocação no trabalho e em outras áreas da vida. Existe exceções é claro, porém, uma grande maioria vai à igreja por fachada, e não buscar os ensinamentos do Senhor Jesus.

Escrevemos estas palavras como uma crítica, mas como um alerta, pois precisamos viver um verdadeiro evangelho e nos colocarmos sempre no lugar do outro, compadecendo-se com suas dores e, alegrando-se com suas conquistas.

Pr. Sérgio Ramos

sábado, 3 de novembro de 2018

Aprendendo com Estêvão


Portal Adiberj:
Tenho aprendido muito com os servos de Deus, e suas histórias, lendo a Bíblia. Compartilhando um pouco do que tenho aprendido, quero trazer lições que aprendi lendo sobre Estêvão. Vamos lá?
Em Atos, capítulos 6 e 7, lemos sobre esse servo que tem muito a nos ensinar.
No capítulo 6, vemos a escolha dos diáconos, homens que auxiliariam os 12, para que eles se aplicassem à oração e ao ministério da palavra (At 6.4).
As qualificações para a atividade de diácono deveriam ser as seguintes: “boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria” (At 6.3). E é aqui que entra Estêvão, um dos escolhidos e chamado de “homem cheio de fé e do Espírito Santo” (v. 5). Vamos começar com essas características.
Boa reputação. Estêvão tinha um bom conceito, uma boa fama. Não falavam mal dele.
Fico pensando neste tempo em que vivemos. É muito complicado ter uma boa reputação; mesmo quando a pessoa anda “na linha”, sempre tem alguém para falar algo, mas ainda encontramos pessoas cuja reputação é admirável. Estêvão era assim.
Como está a sua reputação?
Cheio do Espírito Santo. Como precisamos de pessoas cheias do Espírito Santo! Pessoas repletas da presença de Deus e usadas por Ele. Pessoas diferenciadas, pois quem tem Deus sempre é diferente. Pessoas que manifestem o bom perfume de Cristo através da própria vida.
Você é cheio do Espírito Santo?
Cheio de sabedoria. Aprendemos que o “temor do Senhor é o princípio da sabedoria”. Estêvão vivia isso. No versículo 10 diz que “não podiam resistir à sabedoria, e ao espírito com que falava”. Que homem era esse? Era um homem dominado pelo Senhor, pelo Espírito Santo. Um homem que não brincava de ser crente, mas era cristão verdadeiro, temente e que manifestava isso por onde passava.
Você tem recebido a sabedoria do Senhor?
Cheio de fé e de poder. Não podia ser diferente. Estêvão tinha muita fé, mas não era fé em qualquer coisa, como muitos têm hoje. Tem gente que acha que o importante é crer, não importando em que se crê, mas não é assim.  Estêvão tinha fé em Deus, era dominado pelo poder do Senhor, “fazia prodígios e grandes sinais entre o povo” (v. 8), transmitia aos outros o “bem” que possuía.
A fé faz a diferença. Se você parar para analisar os grandes feitos dos homens e mulheres da bíblia, vai descobrir que eles venceram pela fé. Se não acredita, dê uma olhada em Hebreus 11 e veja, com seus olhos, o que pode fazer uma pessoa quando deposita sua fé no Deus do impossível. Que tal exercitarmos nossa fé?
Conhecimento bíblico. Eu sei que ele não tinha a bíblia, assim como temos hoje, mas ele conhecia muito bem toda a narrativa bíblica até aquele momento no qual vivia. Se você quiser dar uma conferida, leia Atos capítulo 7 e verá com que precisão Estêvão falou de tudo que Deus fizera até aquele momento.
Se a ideia é aprender com ele, que tal começar a estudar a bíblia para ter o conhecimento que ele tinha? É vergonhoso o conhecimento quase zero que alguns “cristãos” têm da Palavra!
Coragem. Se já leu o capítulo 7 de Atos, deve ter percebido que Estêvão, em nenhum momento, ficou preocupado com o que fariam com ele, mas falou ousadamente, mostrando àqueles homens a sua falsa devoção.
Da mesma forma, nós, cristãos, não podemos nos calar diante do erro e do pecado. Cheios do Espírito Santo, devemos falar de Deus e da Sua Palavra.
Você tem tido coragem para anunciar evangelho?
Coração perdoador. É extremamente importante falar sobre isso, já que muita gente insiste em dizer que Jesus perdoou aos seus agressores porque Ele era (é) Deus, mas Estêvão nos mostra que o ser humano pode fazer isso também.
Preste atenção no texto: “Mas eles gritaram com grande voz, taparam os seus ouvidos, e arremeteram unânimes contra ele. E, expulsando-o da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas capas aos pés de um jovem chamado Saulo. E apedrejaram a Estêvão que em invocação dizia: ‘Senhor Jesus, recebe o meu espírito’. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: ‘Senhor, não lhes imputes este pecado’. E, tendo dito isto, adormeceu” (Atos 7:57-60).
Partiram para cima dele, apedrejaram-no e o que ele fez? Orou por eles. Sinceramente, dá até vergonha de pensar em quantas vezes desejamos mal ao próximo por coisas muito menores. Nem vou citar nada aqui. Talvez você possa dizer que “é muito difícil”, e eu concordarei com você, mas é possível, e eu quero ser assim. Não quero viver conforme a carne, mas conforme o Espírito Santo. Humanamente falando é muito complicado, mas, deixando Deus viver através de nós, poderemos chegar a esse nível de espiritualidade. Também quero orar por quem estiver me “apedrejando”.
Estêvão é um bom exemplo de um homem cuja fé devemos imitar. Que esse desejo esteja em nosso coração a cada dia de nossa vida.
Wanderson Miranda de Almeida
Escritor e Colunista deste Portal
www.wandersonmiranda.com


quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Metade dos evangélicos estão influenciados por crenças da Nova Era, diz pesquisa


Fonte: Guiame/Adiberj
Aproximadamente a metade dos evangélicos estão influenciados por alguma crença da Nova Era, conforme indica o novo estudo da Pew Research Center. Realizado nos Estados Unidos, o levantamento identificou que 24% dos entrevistados evangélicos concordam que pode existir energia espiritual dentro de coisas físicas.
A pesquisa continua apresentando dados e afirma que 33% acredita em médiums. Ainda aponta que 19% aceita a ideia de reencarnação e 18% acredita em astrologia. O centro de pesquisa entrevistou tanto cristãos quantos não-cristãos e descobriu que as ideias defendidas pelo movimento conhecido como Nova Era se difundem de diferentes maneiras.
Isso seria impensável há algumas décadas, entre os que se declaram evangélicos. Mas parece que a tendência segue um fluxo crescente e que alcança crenças ocultistas da sociedade como um todo.
Cerca de 47% dos evangélicos entrevistados afirmam acreditar em pelo menos uma das quatro crenças da nova apresentadas. Essa porcentagem é maior ainda entre os católicos (70%). Ao mesmo tempo, 22% dos ateus e 56% dos agnósticos também afirmam aceitar pelo menos uma delas.
Claire Gecewicz, analista de investigação da Pew Research Center, destaca que essas crenças de Nova Era não substituem os credos ou práticas religiosas dos cristãos e 80% deles dizem acreditar em Deus e na Bíblia.
Sem barreiras, essa influência acontece por motivos culturais ou por falta de ensino claro do que as Escrituras dizem sobre estes temas. Mostra uma evidente absorção crescente de ideias antibíblicas por parte dos segmentos evangélicos.