MERCADÃO KIPREÇO

Dia da Igreja Perseguida!

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Comunidade do Cajá dos Batistas irá vivenciar a Festa de Nossa Senhora da Conceição entre os dias 12 à 15 de dezembro.

Da Redação:
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br-

Com o Tema: Batizados e enviados, a igreja de Cristo em missão no Mundo. A comunidade rural de Vertente do Lério Cajá dos Batistas, terá sua festa de cunho religioso.

Durante quatro dias acontecerá a Festa de Nossa Senhora da Conceição. Iniciando na próxima quinta-feira (12) até o domingo (15) de dezembro.

O evento faz parte da Área Pastoral de Nossa Senhora das Victórias no município.

Moradores do município e região, são convidados a prestigiar este momento da Fé Católica.

Pr. Sérgio Ramos: 10/12/2019

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Bancada Evangélica comemora aprovação do projeto que isenta Igrejas de ICMS.

Da Redação/Adiberj:
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br- 



O Senado Federal aprovou nesta última quarta-feira (04/12) o projeto de lei complementar nº 55 de 2019, que autoriza os estados a isentar templos religiosos e entidades beneficentes de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) por até 15 anos. Igrejas já têm imunidade tributária para não pagar outros impostos, como Imposto de Renda, IPTU e IPVA. O texto segue para sanção presidencial.
Em nota, a Frente Parlamentar Evangélica (Bancada Evangélica) comemorou a aprovação e agradeceu aos parlamentares pelo empenho na pauta.
Parabéns aos nossos senadores e senadoras que aprovaram por unanimidade a isenção do ICMS nas contas de energia dos templos religiosos“, disse a entidade em nota.
A FPE destacou a deputada federal Clarissa Garotinho pela iniciativa do projeto. A proposta altera a lei complementar nº 160 de 2017, que definiu prazos para os estados concederem incentivos fiscais.
O texto concede o benefício a “templos de qualquer culto e a entidades beneficentes de assistência social”, como as santas casas. Esse benefício havia se esgotado em 31 de dezembro de 2018.
O projeto aprovado pelo Congresso altera o texto de uma lei de 2017 sancionada pelo então presidente Michel Temer, que estabeleceu prazos para a prorrogação da isenção do ICMS.

Por Pr. Sérgio Ramos- 06/12/2019

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Pastor Melqui Ferreira agradece à todos pelo comparecimento no Culto desta quarta-feira (27).

Da Redação com Pr. Melqui:
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br-


Agradeço a toda à família Avivafé que tem se dedicado para realizar uma obra linda para Deus. Ontem, em plena quarta-feira, tivemos uma noite incrível para a Glória de Deus.

Agradeço aos que não puderam participar, mas oraram por este projeto,  a nossa diretoria, aos líderes de Células, aos que se esforçaram para transportar pessoas até a igreja e a todos os integrantes desta família além dos pastores amigos que tiveram conosco.

A Deus toda glória e a vocês a nossa gratidão! ISSO É SÓ O COMEÇO!

Por Pr. Sérgio Ramos/28/11/2019

sábado, 2 de novembro de 2019

Dia de finados: Momento de tristeza ou de alegria?

Do Adiberj:Juvenal Oliveira Netto
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br-

Segundo alguns estudiosos o grande responsável pela popularização do costume de rezar pelos mortos foi o monge católico beneditino Odilo de Cluny, no ano de 998. Nascida na França, a tradição acabou se propagando por toda a Europa, até que o Dia de Finados foi oficializado durante o século XI, por meio dos papas Silvestre II, João XVIII e Leão IX. Já a data (dia 2 de novembro) foi estabelecida mais tarde, no século XIII.
No Brasil, esta data é celebrada pelos cristãos católicos que aproveitam para visitar os túmulos de seus entes queridos. Com raras exceções, este dia costuma ser de muita melancolia para este grupo de fiéis.
Os cristãos reformados não tem por hábito comemorar este dia, apesar de ser um feriado nacional. Mas, a ideia aqui não é entrar no mérito da questão quanto ao ponto de vista teológico que dividem católicos e evangélicos. Deixaremos este assunto para outro momento mais oportuno. Fato é que todo o país para durante este dia por termos uma rotina diferenciada, e, mesmo aqueles que não concordam, seja por incredulidade ou por divergências doutrinárias, são obrigados a refletir sobre o tema “morte” e isto acaba sendo bom. O grande sábio Salomão afirmou que é melhor ir a casa onde há luto do que ir numa onde há banquete (Ec 7.2). Por que será que Ele disse isto? 
Ninguém gosta de falar sobre este assunto, no entanto, ela é uma das verdades mais absolutas na existência humana. A grande questão não é morrer, mas, se estamos preparados ou não para recebê-la quando vier bater a nossa porta. O Apóstolo João, na ilha de Patmos, prestes a morrer, tem uma visão e ele faz a seguinte narrativa quando vê a Cristo:
“E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.” (Ap 1.17-18).
Jesus Cristo é o único que possui a chave; o único que tem o antídoto para este terrível veneno. Ele veio ao mundo com um propósito muito bem definido, libertar e salvar todo aquele que havia se perdido, desde Adão, o primeiro homem (Lc 19.10; Rm 5.19-21; I Co 15.22).
Sendo assim, certamente, nós também um dia estaremos do outro lado por ocasião do Dia de Finados, isto é, se Jesus ainda não tiver retornado, e qual será o sentimento daqueles que estiverem ainda vivos em relação a nós? Se partirmos tendo professado a nossa fé genuína em Cristo, certamente deixaremos muita saudade, sim, não obstante, o sentimento jamais será de tristeza, mas, de alegria pela certeza de que a morte não fora capaz de nos deter. A certeza dos que também creem no evangelho e por isto, lá então, terão a convicção de que estamos mais vivos do que nunca em um lugar extraordinário que a Bíblia vai chamar de céu.
“Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” (Jo 3.17-18).

Pr. Sérgio Ramos- 02/11/2019

domingo, 20 de outubro de 2019

Crianças lotam templo da Avivafé Surubim, e o pastor Melqui afirma que os frutos então Aí!

Da Redação com Melqui Ferreira:
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br-


A Avivafé - Surubim nasceu a menos de dois anos. Lá no comecinho, quando nossas membros se resumiam a menos de 10 pessoas Deus pediu que um dos nossos alvos seriam as crianças.

Não queríamos uma igreja onde as crianças ficassem apenas confinadas em uma sala para não atrapalhar a pregação.

Queremos uma igreja onde os pequeninos também sejam protagonistas, a final, o mesmo Espírito Santo que habita em um adulto também habita em uma criança.

Viajamos muito, participamos de treinamentos e conferências  para aprender com que já está no nível que queremos chegar como a CCA e a Paz Church.

Hoje, muitos adultos que estão em nossa igreja  foram indiretamente evangelizados pelos filhos e sobrinhos.

Está manhã tivemos um momento incrível em nossa “manhã Aviva Kids”.
Parabenizo a nossa equipe Kids pelo excelente trabalho realizado.

A vocês a nossa gratidão e a Deus toda a glória.

 




Pr. Melqui - 20/10/2019

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

“LGBTfobia”: O que o indiciamento do padre pernambucano tem a ver com você

Do Adiberj:
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br- 


Já escrevemos – e muito – sobre a criminalização da homofobia promovida pelo STF em junho deste ano. Ultrapassando suas competências, o Poder Judiciário se dispôs a legislar, e em matéria criminal.
A perseguição religiosa, com isso, tem todos os ingredientes para avançar. E, parece, já começou…
O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) abriu inquérito para investigar se o padre Rodrigo Alves de Oliveira Arruda teria adotado conduta de LGBTfobia quando da ministração de uma missa.
O motivo? Durante a cerimônia religiosa tal pároco teria solicitado que os fiéis assinassem uma petição com a intenção de pressionar o Senado para a aprovação de um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) que retiraria o vigor da decisão do STF.
No entender do padre, o julgamento do Supremo seria uma mordaça contra entendimentos religiosos e científicos.
Pois bem.
A base para o argumento do padre é, ao mesmo tempo, religiosa e jurídica. Seu receio era de que os cristãos – e as pessoas de modo geral – não pudessem expressar aquilo que pensam quando o assunto envolve LGBTs. Quase numa profecia, seu receio se cumpriu.
De acordo com o que expusemos no livro “Manual Prático de Direito Religioso: um guia completo para juristas, pastores, líderes e membros”, o Supremo fixou três teses na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) n. 26, uma de impacto mais direto ao que nos interessa:
A repressão penal à prática da homotransfobia não alcança nem restringe ou limita o exercício da liberdade religiosa, qualquer que seja a denominação confessional professada, a cujos fiéis e ministros (sacerdotes, pastores, rabinos, mulás ou clérigos muçulmanos e líderes ou celebrantes das religiões afro-brasileiras, entre outros) é assegurado o direito de pregar e de divulgar, livremente, pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, o seu pensamento e de externar suas convicções de acordo com o que se contiver em seus livros e códigos sagrados, bem assim o de ensinar segundo sua orientação doutrinária e/ou teológica, podendo buscar e conquistar prosélitos e praticar os atos de culto e respectiva liturgia, independentemente do espaço, público ou privado, de sua atuação individual ou coletiva, desde que tais manifestações não configurem discurso de ódio, assim entendidas aquelas exteriorizações que incitem a discriminação, a hostilidade ou a violência contra pessoas em razão de sua orientação sexual ou de sua identidade de gênero.
Uma leitura desatenta nos faria crer que a liberdade religiosa – e porque não dizermos, a liberdade de expressão em geral – foi respeitada. Mas esse pode ser um ledo engano pelo que consta em sua parte final:
desde que tais manifestações não configurem discurso de ódio, assim entendidas aquelas exteriorizações que incitem a discriminação, a hostilidade ou a violência contra pessoas em razão de sua orientação sexual ou de sua identidade de gênero.
Aqui caímos na análise subjetiva do discurso de ódio, especialmente quando temos por referência o conceito de discriminação. Aliás, precisamos deixar claro que os cristãos, em sua imensa maioria, não são hostis ou violentos contra esse grupo. Ainda, a decisão não atinge apenas homossexuais e transexuais, mas todos os caracterizados como LGBTQI+, abrangendo travestis, bissexuais, queer, intersexos…
Nesse ponto, vale recordar que algumas igrejas protestantes, ou mesmo a Igreja Católica, não admitem mulheres ao sacerdócio. Esse fato é discriminatório? Segundo os dicionários, discriminar significa perceber diferenças, distinguir, colocar à parte por algum critério. O que as igrejas fazem é, a partir de aspectos teológicos, separar situações por conta de suas particularidades.
E se revela interessante que nossa Constituição coloca homens e mulheres num patamar de igualdade (art. 5º, caput e inciso I), mas nem por isso há decisões judiciais obrigando que as igrejas mudem seus posicionamentos quanto à consagração de mulheres.
Voltando ao caso em tela, expor uma interpretação religiosa da conduta LGBT, ou jurídica da decisão do STF, em nenhuma instância pode ser caracterizado como discurso de ódio. Desta feita, a simples abertura de inquérito no caso já não merece prosperar.
Se aceitarmos o indiciamento do padre pernambucano abriremos as portas para uma ferrenha perseguição aos cristãos. E você, caro leitor, pode ser a próxima vítima, ou melhor, o próximo criminoso.
Por Antonio Carlos da Rosa Silva Junior – Doutor e Mestre em Ciência da Religião (UFJF), Especialista em Ciências Penais (UNISUL) e em Direito e Relações Familiares (UNIVERSO), e Bacharel em Direito (UFJF) e em Teologia (CESUMAR).


Por Pastor Sérgio Ramos- 17/10/2019

domingo, 13 de outubro de 2019

Assembleia de Deus acolhe mensagem de Alcoólicos Anônimos em Vertente do Lério.

Da Redação:
felizsramosdecarvalho@yahoo.com.br-


Na noite deste domingo (13) estivemos participando do culto na igreja evangélica assembleia de Deus na cidade de Vertente do Lério, onde na condição de amigo da irmandade alcoólicos anônimos (A.A) convidamos os amados e amadas em Cristo Jesus, para participar do aniversário de 08 anos do Grupo A.A Vertentes de Sobriedade.

A reunião comemorativa acontecerá das 19h30 às 21h30 da próxima terça-feira (15) na Casa João Dias de Sales (Câmara Municipal).

Aproveitando a ocasião como servo de Cristo deixamos um versículo bíblico para a meditação de todos. Ao convidamos os presentes à este presente no encontro compartilhando juntamente com os membros da irmandade, toda alegria por estarem algumas 24h se fazer uso da bebida alcoólica. Então passamos um pouco a respeito de como funciona alcoólicos anônimos.

Também como forma de gratidão repassamos ao representante local da Assembléia de Deus, presbítero Lenivaldo, um banner contendo mensagem direcionado a mostrar como acontece o programa de recuperação sugerido aos portadores da Doença do Alcoolismo.

CONFIRA VÍDEO:


Pastor Sérgio Ramos- 13/10/2019